Por que saber quais são os agentes da inovação é fundamental para ter sucesso na carreira de consultor em cidades inteligentes?

Sozinhos vamos mais rápido, mas juntos vamos mais longe. Eu tenho certeza que algum dia de sua vida você já ouviu essa frase. 

Pode ser que ela não tenha feito tanto sentido para você na hora em que ouviu. Mas se você está decidido a ser consultor em cidades inteligentes, entenderá que muito além de ser um dito popular, ela é essencial para o sucesso da sua carreira de consultor.

Você deve compreender que a cidade é construída de diferentes pessoas e que essas pessoas, inseridas em um grupo A ou B, gostam de ser escutadas, ser notadas e reconhecidas. 

Em um processo de aceleração de cidades inteligentes em que todos grupos são impactados, faz muito sentido que o consultor em cidades inteligentes seja a peça essencial no diálogo e articulação entre os diferentes agentes da inovação.

São um total de cinco e será explicado qual a importância de cada um e como eles podem ser decisivos no processo de tornar os municípios brasileiros mais inteligentes.

Mas primeiro, por que precisamos articular os agentes da inovação?

O seu objetivo enquanto consultor deve ser de executar ações de impacto, certo? 

Você definitivamente não deseja fazer um trabalho mal feito e ser apontado como mais um consultor que não mudou em nada a cidade.

Um dos problemas comuns em projetos executados na cidade, são que eles são feitos sem a inclusão dos agentes da inovação. Reúne-se cerca de cinco pessoas que ali decidem o que é melhor para a cidade.

Contudo, para que possamos trazer ações realmente inovadoras, que causará um impacto positivo e significativo na construção de cidades inteligentes, é necessário a união dos diferentes agentes da inovação em um propósito comum: melhorar a qualidade de vida da população.

Só através da construção de parcerias, usando uma comunicação assertiva os quais possuam clareza do seu papel e responsabilidades, através do uso das tecnologias para potencializar tais resultados, que podemos ter uma visão ampla, uma nova abordagem para os desafios que vivenciamos diariamente. 

Envolver os cinco agentes da inovação possui como propósito: trabalho em equipe, colaboração, troca de ideias e experiências; e clareza de responsabilidades.

Ótimo, entendi que para ter sucesso enquanto consultor, devo articular os agentes da inovação. Mas quem são eles?

  1. Setor público (CNPJ)
  2. Setor privado (CNPJ)
  3. Instituições de ensino (CNPJ)
  4. Sociedade civil organizada (CNPJ)
  5. Cidadão (CPF)         

1) Qual o papel do setor público?

O setor público compreende os poderes executivo e legislativo. 

É função do setor público coordenar e executar o planejamento estratégico colocando assim maior clareza da cidade que temos e a cidade que queremos.

É de responsabilidade dele também definir responsabilidades, ou seja, quem fará o que e com quais recursos serão feitos.

O setor público também tem que alinhar instrumentos normativos, com os projetos locais e os recursos disponíveis. Em seus instrumentos normativos municipais deve haver diálogo com os instrumentos estaduais e municipais.

2) Qual o papel do setor privado?

A empresa quando oferece serviço ao setor público deve possuir clareza dos seguintes pontos:

a) Quais as prioridades, objetivos do setor público;

b) Possuir comunicação assertiva ao comunicar com o gestor público;

c) Compreender o período de plantio e colheita junto ao setor público.

As empresas não devem adotar a postura de somente querer oferecer um projeto sem compreender se isso é prioridade ou não do setor privado.

Além disso, deve compreender que para comunicar com o gestor público, deve ter a linguagem que seja de fácil compreensão.

E ao contrário do que acontece no setor privado, as demandas do setor público não são realizadas da noite para o dia. É necessário o diálogo com o ele, plantar as demandas para estarem presentes nas leis orçamentárias para assim poder executá-las no ano seguinte.

E por fim, as empresas devem adotar uma postura de resolução de problemas. É comum vermos empresas que arrastam contratos por anos e que não promovem nenhum impacto significativo na qualidade de vida dos cidadãos. Por isso, é essencial que elas mudem essa visão e passem ser a fonte de resolução de problemas que o gestor público encontra.

3) Qual o papel das instituições de ensino?

Aqui colocamos como instituições de ensino desde o ensino infantil a formação superior. Na compreensão de que os professores são autoridades formadoras de opinião, podem contribuir significativamente na formação da sociedade e cidadãos que queremos ter.

Entre suas funções está o preparo para a cidadania e qualificação para o trabalho como consta no artigo 205 da Constituição Federal brasileira.

Então a educação vai muito além de ensinar a educação formal e os conceitos da matemática, história ou geografia, deve preparar o cidadão para viver e construir cidades inteligentes.

4) Qual o papel da sociedade civil?

A sociedade civil tem o papel de promoção de políticas públicas que podem ser realizadas de forma autônoma ou em parceria com os demais agentes da inovação.

Ela possui importante papel para universalização do acesso aos serviços de: saúde, assistência social, cultura, esporte, lazer, desenvolvimento sustentável, educação, promoção da ética, paz, cidadania e direitos humanos.

5) Qual o papel do cidadão?

O cidadão ele possui uma série de direitos que devem ser assegurados. Tais como: direito à vida, à liberdade, à propriedade, direitos civis.

Contudo o cidadão não deve adotar uma postura parasita e aguardar somente que receba os direitos. Ele também como cidadão, deve cumprir seus deveres de participar do destino da sociedade e exercer seu direito político.

Quais são então os dois principais papéis desempenhados pelo cidadão?

a) Eleger e monitorar seus representantes políticos;

b) Monitorar e acompanhar a execução do plano diretor da sua cidade.

E por que o consultor LICI é o principal responsável pela articulação dos agentes da inovação?

Bom, falamos dos papéis desempenhados por cada um, certo? A questão é que poucos têm consciência ou executam tais papéis. 

A grande verdade é que os agentes da inovação sequer têm consciência de seu papel na construção de uma cidade inteligente.

O segundo ponto é que poucas vezes na busca de soluções para os problemas que enfrentamos nas cidades, realmente há a reunião de tais agentes na busca conjunta, com base em uma visão democrática, participativa e ampla.

Sendo assim, muitas ações são adotadas de forma isolada com pouco ou nenhum impacto social. 

Cabe ao consultor LICI ser a peça fundamental que irá unir todos agentes da inovação, permitindo que eles possuam diálogo construtivo na busca de soluções para os problemas das cidades.

Você acredita no poder do consultor LICI? Comente aqui para eu saber!

Se quiser ver uma live sobre o tema, basta ver o vídeo abaixo.

 

 

© 2021 por Instituto Smart Citizen  | Brasília – DF| CNPJ 32.000.914/0001-49